facebook INSTA

Tarcísio e Feder escolas privatizadas

 

O governo Tarcísio de Freitas anunciou a privatização de 33 escolas de ensino de nível médio e fundamental II no Estado de São Paulo. A entrega dessas unidades para a iniciativa privada seria para a construção, manutenção, conservação, gestão e operação dos serviços “não pedagógicos” em novas unidades. Mas, segundo assume o governo, o plano é privatizar ao menos outras 500 escolas do Estado que já estejam em funcionamento.

O texto foi publicado no Diário Oficial da terça-feira (11) e determina o prazo da concessão de 25 anos e o que o preço cobrado pela prestação de serviço será o critério para a escolha do vencedor da licitação. O decreto de Tarcísio é semelhante ao projeto de lei apresentado pelo governo Ratinho Jr, no Paraná, que prevê a privatização de 204 escolas do Estado e causou uma revolta de professores e estudantes.  

Renato Feder, atual secretário da Educação de São Paulo, ocupou o mesmo cargo no Paraná, e passou a importar os retrocessos que foram implantados no estado vizinho, como é o caso das escolas cívico-militares, a perseguição a professores e a tentativa de acabar com os livros didáticos físicos nas unidades escolares.

No caso de São Paulo, o decreto prevê que as escolas privatizadas poderão ser adquiridas por grupos empresariais nacionais ou estrangeiros, “desde que a natureza e o objeto delineados em seus estatutos constitutivos sejam compatíveis com as obrigações e atividades atinentes à concessão”, diz o decreto.

A privatização também exclui a Secretaria da Educação de qualquer processo vinculado à administração das unidades entregues. A Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (ARSESP) será a responsável pela supervisão e acompanhamento das atividades relativas à prestação dos serviços.

Vinicius Neiva, secretário-executivo da Educação de São Paulo, admitiu, em entrevista ao jornal SP1, da TV Globo, que o plano do governo Tarcísio é entregar 500 escolas do Estado para a iniciativa privada.

“Além dessas 33 nesse primeiro momento, a gente tem estudos para que até 500 para assumir essa parte de serviços dentro das escolas”, disse. Segundo ele, o plano é de que isso seja atingido até 2026.

O argumento é de que os serviços seriam mais “ágeis” que o do governo, alegando uma suposta incompetência da gestão das escolas. “Os diretores, profissionais pedagógicos e professores vão passar a ser clientes deste novo serviço”, disse.

 

GRATUIDADE EM RISCO

 

Ao exemplo do que ocorre no Paraná, a privatização das escolas viola o princípio da gratuidade da Educação, além de ir contra a Lei de Diretrizes e Bases (LDB). A Constituição Federal garante a educação pública gratuita, e a privatização pode resultar em custos indiretos para os alunos e suas famílias.

Além de não proibir a cobrança de mensalidade nas unidades, o decreto de Tarcísio abre espaço para que serviços extras, o uso do espaço e até o nome da escola possam ser explorados pelas empresas.

A privatização pode criar disparidades no acesso à educação, beneficiando escolas em áreas mais ricas e negligenciando as regiões mais pobres. Além disso, a gestão privada dessas escolas pode priorizar áreas urbanas e de maior renda, deixando as zonas rurais e periféricas sem os recursos necessários.

O projeto também pode ser o início de uma privatização geral no futuro, até mesmo dos serviços pedagógicos. No entanto, se continuar assim, já apresentará várias ilegalidades, como ausência de estimativa de impacto orçamentário. Além disso, a Constituição Federal e a LDB proíbem a gestão de instituições da rede pública estadual de ensino por pessoas jurídicas de direito privado, entre outros pontos.

O projeto fere também a LDB ao prever a atuação do segmento privado nas dimensões “administrativa e financeira da escola”. Isso porque determina que a gestão dos recursos, inclusive de origem federal, caberá ao/à presidente/a da Unidade Executora, mas deverá levar em consideração o plano de trabalho do parceiro contratado.

O projeto ainda afronta a Lei de Proteção Geral de Dados (LGPD) ao transferir informações sobre os estudantes para sujeitos privados alheios à escola. Pesquisas sobre o tema da privatização mostram a produção e apropriação de dados educacionais públicos por parte de segmentos privados que atuam em escolas públicas e não são disponibilizados de forma pública e com isso, fabrica suas próprias evidências.

A proposta oficializada no Diário Oficial também não passou pela Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). Como resposta, o deputado estadual Carlos Giannazi, apresentou na Alesp o PDL 28/24, que susta os efeitos do Decreto nº 68.597 de Tarcísio, que autoriza a abertura de licitação para a concessão de serviços administrativos e de manutenção de 33 escolas estaduais à iniciativa privada. Na prática, esse é o primeiro passo para a privatização total da rede estadual de ensino.

“Tarcísio está concorrendo com Ratinho Jr. pra ver qual deles destrói primeiro a educação pública! O Coletivo Educação Em 1º Lugar já acionou o MP e o TCE para impedir que esse crime aconteça”, disse o parlamentar.

Da mesma forma, a deputada estadual Professora Bebel apresentou o PDL 27/24, que susta os efeitos do Decreto nº 68.597. “Escola tem que ser pública e gerida pelo Conselho de Escola”, destacou a professora, 

 

https://www.al.sp.gov.br/spl/2024/06/Propositura/1000554185_1000694695_Propositura.pdf

 

Fonte: HORA DO POVO

Carteirinha da UMES

 

home-document-2023
 
 

Cultura

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

  

Parceiros 

sptrans

 

LOGO MINC GOV

 

  

casa mestre ananias

  

 

Fique bem informado

 

hp

 

 logo

 

 

jornaldausp

 

 

 portal do bixiga 

 

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив