Liberté, egalité, fraternité – Canção Dentro do Pão pelo CPC-UMES

19801021 1268410063270932 4241878980855719919 o

                                                                                                      Foto Marcelo Kahn

    

 

Quando começamos a estudar o texto de “Canção dentro do Pão” não havia ainda o atual tsunami de denúncias que inunda, semanalmente, o país. Buscávamos uma obra divertida sem ser fútil, que resgatasse os áureos tempos da comédia brasileira. Foi o que encontramos na peça de Raimundo Magalhães Júnior, cearense da melhor cepa, intelectual da mais elevada estatura.

 

Conforme íamos avançando nas leituras da peça e nos estudos sobre a Revolução Francesa, a realidade brasileira nos surpreendia. Figurinhas carimbadas, que frequentavam as páginas de política desde o fim da ditadura e também ocupavam os principais cargos da República nos últimos 30 anos, passam a frequentar as páginas policiais e a ocupar celas na Papuda e em Curitiba. O discurso de “vamos salvar o país” transformou-se rapidamente em “salve-se quem puder”.

 

Foi então que um Senador da República – líder de todos os governos que pode – soltou na imprensa uma pérola: “Nesse clima de turba, de linchamento, de Revolução Francesa não dá para ninguém investir”. Ou seja, a justíssima ira do povo contra a quadrilha instalada nos palácios, era a causa da crise brasileira! Nenhuma culpa tinham os que assaltam o nosso patrimônio, roubam de petróleo a merenda escolar, desviam da saúde, da educação, dos transportes, arrocham salários e aposentadorias. Não faltam investimentos porque os bancos drenam, com a cumplicidade dos governantes, todos os recursos do país: a culpa é do povo, que não quer ficar quieto!

 

Dizem que, por falar uma bobagem muito mais singela, sobre bolos ou brioches, Maria Antonieta perdeu a cabeça... Foi lembrando de um ilustre pensador, que definiu os momentos revolucionários como sendo aqueles em que “os de cima já não conseguem mandar e os de baixo já não aceitam obedecer” que a ficha começou a cair. Esta era a situação da Paris de 1789. Não muito diferente da do Brasil de 2017.

 

É claro que não é a nossa intenção estabelecer paralelos históricos exatos, até porque as coisas por aqui estão apenas começando e a história não comporta teleologias. Mas é interessante observar os comportamentos repulsivos de Monsieur Finot, da inconsequente Jaqueline, de seu marido Jaquot, do inspetor Jean e seu meganha. Sobra-nos o suíço, ainda que ele seja surdo-mudo e analfabeto. Mesmo assim ele adverte: “me aguardem”.

 

São comportamentos tão condenáveis quanto os dos que votam na calada da noite o fim de direitos, as benesses aos bancos, reformas que só servem a eles mesmos (e ainda tem tempo de dar uma corridinha com uma mala).

 

Mas a peça fala por si mesma. A direção sensível de Bete Dorgam e atuações precisas do elenco garantem boas risadas sem perder de vista a necessária reflexão sobre os nossos dias. O que achamos que irá acontecer? Como lembra a canção inicial, do sempre atento Marcus Vinícius: “O que vai dar / Só a massa irá dizer”.

 

CPC-UMES

 

 

FICHA TÉCNICA:

 

Texto: Raimundo Magalhães Júnior

Direção: Bete Dorgam

Elenco: João Ribeiro, Pedro Monticelli, Rebeca Braia, Ricardo Koch Mancini e Rafinha Nascimento

Assistente de Direção: Valério Bemfica

Músicas: Marcus Vinícius de Andrade e Léo Nascimento

Arranjos: Léo Nascimento e Vittor Meneghetti

Direção Musical: Léo Nascimento

Direção de Movimento: Luciana Viacava

Cenografia: Caio Marinho

Bolos Cenográficos: Vanessa Abreu

Cenotécnico: Zé Valdir Albuquerque

Figurinos: Atilio Beline Vaz

Costureiras: Benê Calistro e Mariluce

Criação de Luz: Lui Seixas

Operação de Luz: Júnior Fernandes

Designer Gráfico: Rodrigo Kenan

Produção: Telma Dias

Fotos: Marcelo Kahn

Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes

 

 

SERVIÇO:

 

Cine-Teatro Denoy de Oliveira: Rua Rui Barbosa, 323/ Bela Vista – SP. 

Temporada: De 14 de julho à 10 de setembro. Sextas e sábados, às 21 horas, e domingos, às, 19 horas. 

Ingressos: R$20,00 (Inteira) e R$10,00 (Meia). 

Classificação: Livre 

Duração: 90 minutos. 

Capacidade: 99 lugares. 

Telefone: (11) 3289-7475. Aceita Cartões.

***Entrada gratuita para moradores do bairro da Bela Vista mediante comprovante de residência e estudantes com Carteirinha da UMES.

 

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

icone-cpc-umes-filmes

 

 

Parceiros

 

icone-sp-trans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

icone-apeoesp

 

icone-campanha-educacao

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив