Mostra Permanente de Cinema Italiano já tem data para retornar em 2018

Mostra CinemaItaliano BannerWeb 700x250 2018

 

Situado no coração do Bixiga (Rua Rui Barbosa 323 – Sede Central da UMES), o Cine-Teatro Denoy de Oliveira reinicia no dia 29 de janeiro sua Mostra Permanente de Cinema Italiano.

Inaugurada em maio de 2016 pelo CPC-UMES (Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo), a mostra foi acolhida com carinho pelo público interessado em ver e rever as grandes obras de uma cinematografia marcada pela criatividade de seus artistas e o humanismo de seus temas.

 

Os filmes são exibidos sempre às segundas-feiras, às 19h, com entrada grátis.

Em 2018 estaremos apresentando 41 obras de 20 diretores consagrados. Participe!

 

 

MOSTRA PERMANENTE DE CINEMA ITALIANO 2018   

 

(29/01) ONTEM, HOJE E AMANHÃ - Vittorio de Sica (1963), 118 min.

(05/02) MILAGRE EM MILÃO - Vittorio de Sica (1951), 100 min.

(19/02) AMARGO DESPERTAR - Vittorio de Sica (1973), 112 min.

(26/02) LAVA JATO À ITALIANA - Luigi Zampa (1962), 106 min.

(05/03) A VOLTA DA PERDIDA - Luigi Zampa (1949), 109 min.

(12/03) CÉSAR DEVE MORRER - Irmãos Taviani (2012), 77 min.

(19/03) UM GRITO DE REVOLTA - Irmãos Taviani (1972), 90 min.

(26/03) ACONTECEU NA PRIMAVERA - Irmãos Taviani (1993), 119 min.

(02/04) O BANDIDO - Alberto Lattuada (1946), 87 min.

(09/04) ESTE CRIME CHAMADO JUSTIÇA - Dino Risi (1971), 103 min.

(16/04) A MULHER DO PADRE - Dino Risi (1970), 103 min.

(23/04) O PROFETA - Dino Risi (1968), 100 min.

(07/05) AS MÃOS SOBRE A CIDADE - Francesco Rosi (1965), 105 min.

(14/05) A VONTADE DE UM GENERAL- Francesco Rosi (1970), 105 min.

(21/05) FELIZES PARA SEMPRE - Francesco Rosi (1967), 104 min.

(28/05) BAARÌA, A PORTA DO VENTO - Giuseppe Tornatore (2009), 163 min.

(04/06) ESTAMOS TODOS BEM - Giuseppe Tornatore (1990), 126 min.

(11/06) À LUZ DO SOL - Roberto Faenza (2005), 90 min.

(18/06) MEUS CAROS AMIGOS 2 - Mario Monicelli (1982), 121 min.

(25/06) MEUS CAROS AMIGOS 3 - Nanni Loy (1985), 110 min.

(02/07) OS BOAS VIDAS - Federico Fellini (1953), 107 min.

(16/07) JULIETA DOS ESPÍRITOS - Federico Fellini (1965), 137 min.

(23/07) A MORTE - Bernardo Bertolucci (1962), 100 min.

(30/07) DE PUNHOS CERRADOS - Marco Bellochio (1965), 105 min.

(06/08) O GOLPE DOS ETERNOS DESCONHECIDOS - Nanni Loy (1959), 105 min.

(13/08) CAFÉ EXPRESS - Nanni Loy (1980), 100 min.

(20/08) OBSESSÃO - Luchino Visconti (1943),144 min.

(27/08) NOITES BRANCAS - Luchino Visconti (1957), 107 min.

(03/09) VIOLÊNCIA E PAIXÃO - Luchino Visconti (1974), 121 min.

(10/09) UM AMERICANO EM ROMA - Steno (1954), 94 min.      

(17/09) PARENTE É SERPENTE - Mario Monicelli (1993), 105 min.

(24/09) BRANCALEONE NAS CRUZADAS - Mario Monicelli (1970), 122 min.

(01/10) CAROS F… AMIGOS - Mario Monicelli (1994), 120 min.

(08/10) IRMÃO SOL, IRMÃO LUA - Franco Zeffirelli (1972), 135 min.

(15/10) CHÁ COM MUSSOLINI - Franco Zeffirelli (1999), 117 min.

(22/10) A MOÇA COM A VALISE - Valério Zurlini (1961), 121 min.

(29/10) MULHERES NO FRONT - Valério Zurlini (1965), 120 min.

(05/11) HABEMUS PAPAM - Nanni Moretti (2011), 104 min.

(12/11) MINHA MÃE - Nanni Moretti (2015), 106 min.

(26/11) MAMMA ROMA - Pier Paolo Pasolini (1962), 120 min.

(03/12) PAISÁ - Roberto Rosselini (1946), 134 min.

 

 

DIRETORES APRESENTADOS NA PROGRAMAÇÃO DE 2018

 

Vittorio De Sica (1901-74)

Diretor, ator, escritor e produtor, Vittorio De Sica nasceu em Sora, mas cresceu em Nápoles e começou a trabalhar cedo como auxiliar de escritório, para sustentar a família. Sua paixão pelo teatro levou-o aos palcos. Ao final da década de 20, ele fazia sucesso como ator. Em 1933, montou sua própria companhia.

De Sica voltou-se para o cinema em 1940. Ao amadurecer, tornou-se um dos fundadores do neorrealismo, emplacando uma sequência de quatro clássicos que figuram em todas as antologias: “Vítimas da Tormenta” (1946), “Ladrões de Bicicletas” (1948), “Milagre em Milão” (1950), “Humberto D” (1951) – os dois primeiros realizados em parceria com o escritor Cesare Zavattini, outro papa do movimento. Também dirigiu "O Juízo Universal" (1961), “La Rifa” (1962, episódio de “Decameron 70”), “Ontem, Hoje, Amanhã” (1963), “O Ouro de Nápoles” (1964), “Matrimônio à Italiana" (1964), “Girassóis da Rússia” (1970), “Jardim dos Finzi-Contini” (1970), “Amargo Despertar” (1973).

 

Luigi Zampa (1905-91)

Luigi Zampa nasceu em 1901 em Roma. Estudou Engenharia e, nesse período, ele escreveu algumas comédias, entre 1930 e 1932, além de, em 1933, dirigir seu primeiro o curta-metragem documental “Risveglio Di Una Cittá”. Logo após, estudou Roteiro e Direção no consagrado Centro Sperimentale di Cinematografia, entre os anos 1932 e 1937. Sua atuação como diretor de longa se deu com “L’Attore Scomparso” (1941), tendo dirigido filmes como seu primeiro sucesso, o premiado “Vivere In Pace” (1947), indo clássicos como “Campane a Martello” (1949) e “Anni Ruggenti ” (1962). Em suas obras, o entretenimento está intrinsecamente ligado à notação de costumes decorrente da observação do comportamento italiano diante de mudanças na sociedade.

 

Vitorio Taviani (1929) e Paolo Taviani (1931)

Os Irmãos Taviani nasceram em San Miniato, na Toscana. Realizaram 22 filmes, ao longo de 60 anos, e seguem na ativa, tendo lançado em 2015 "Maravilhoso Boccaccio",  adaptação de cinco contos do "Decameron". Iniciaram a carreira em 1954 com o curta "San Miniato, luglio '44". Em 1960 rodaram o documentário "L'Italia Non É Un Paese Povero" em parceria com Joris Ivens. Com "Os Subversivos" (1967) e "Sob o Signo de Escorpião" (1969), começaram a fazer sucesso. Seus próximos filmes são considerados clássicos: "Pai Patrã o" (1977), Palma de Ouro no 30º Festival de Cannes; "A Noite de São Lourenço" (1982), Prêmio Especial do Júri em Cannes; "César Deve Morrer" (2012), adaptação do "Julio César" de Shakespeare, encenado por um grupo de detentos da prisão de segurança máxima Rebibbia, de Roma, foi ganhador do Urso de Ouro no Festival de Berlim (2012). Outros filmes conhecidos dos Irmãos Taviani são: "Kaos" (1984), "Bom Dia, Babilônia" (1987); "Noites com Sol" (1990); "Aconteceu na Primavera" (1993).

 

Alberto Lattuada (1914-2005)

Lattuada nasceu em Milão e desde jovem manifestava um grande interesse pela literatura, o que o levou a escrever muitos artigos sobre cinema e a fundar uma publicação – Camminare – juntamente com seu companheiro de colégio Alberto Mondadori. Foi um dos nomes do neorrealismo, atuando no chamado “Grupo de Milão”, onde, além dele, grandes nomes como Luigi Comencini e Dino Risi também figuravam. Lattuada começou no cinema como decorador de sets em 1933. Em 1940 participou do roteiro do filme “Piccolo Mondo Antico”, de Mario Soldati, que foi premiado no Festival de Veneza. Dirigiu seu primeir o filme em 1942, “Giacomo L’ Idealista”, mas começou a ser notado e a fazer sucesso com “O Bandido” (1946), seguido de “Il Delitto di Giovanni Episcopo” (1947). Em sua extensa filmografia destacam-se ainda “La Spiaggia” (1954) e “Bianco, Rosso e…” (1972), estrelado por Sophia Loren.

 

Dino Risi (1916-2008)

Dino Risi nasceu em Milão, estudou medicina, formou-se em psiquiatria. Foi crítico de cinema, roteirista, trabalhou como assistente de Mario Soldati e Alberto Lattuada. Nos anos 50 se instalou em Roma, se tornando um dos grandes inventores da commedia  all'italiana, ao lado de Ettore Scola, Mario Monicelli e Pietro Germi. Dirigiu 54 filmes, entre os quais "Férias com o Gangster" (1951), "O Signo de Venus" (1955), "Belas, mas Pobres" (1956), "Essa Vida Dura" (1961), "Aquele que Sabe Viver" (1962), "Operação San Genaro" (1966), "Esse Crime Chamado Justiça" (197 1). "Perfume de Mulher" valeu a Vittorio Gassman o grande prêmio de interpretação masculina no Festival de Cannes de 1975. Em 2002, recebeu um Leão de Ouro, no Festival de Veneza, pelo conjunto da obra.

 

Francesco Rosi (1922)

Nascido em Nápoles, o cineasta Francesco Rosi estudou Direito. No inicio dos anos 40 trabalhou no rádio como jornalista. Ingressou na indústria cinematográfica em 1948, foi assistente de vários cineastas, entre os quais Luchino Visconti com quem fez “La Terra Trema” (1948), “Belíssima” (1951) e “Senso” (1956). Sua carreira de diretor, marcada por obras de grande empenho social e político, começou em 1958 com “O Desafio”. Tem entre seus filmes grandes sucessos como “O Caso Mattei” (1972), “Lucky Luciano” (1973) e “Cadáveres Ilustres” (1976). Recebeu o Urso de Prata de Melhor Diretor em 1962 por “Bandido Giuliano” e o Prêmio de Ouro do 11° Festival de Moscou (1979) por “Cristo Parou em Eboli”. Em 2008 foi homenageado no Festival de Berlim com um Urso de Ouro pelo conjunto da obra.

 

Giuseppe Tornatore (1956)

Nascido na Sicília, Tornatore atuou no teatro, foi fotógrafo free-lance e trabalhou na TV estatal italiana, a RAI. Lançou seu primeiro longa-metragem em 1985: "O Camorrista". Em 1988, obteve sucesso mundial e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro com "Cinema Paradiso". Dirigiu também "Estamos Todos Bem" (1990), "Sempre aos Domingos" (1991), "Uma Simples Formalidade" (1994), "O Homem das Estrelas" (1995), "A Lenda do Pianista do Mar" (1998), "Malena" (2000), "A Desconhecida" (2006), "Baaria, A Porta do Vento" (2009), "O Melhor Lance" (2013), &qu ot;Lembranças de um Amor Eterno" (2016).

 

Roberto Faenza (1943)

O cineasta italiano Roberto Faenza nasceu em Turim e formou-se no Centro Sperimenale di Cinematografia, em Roma, 1965. Fez sua estreia como diretor com “Escalada” (1968), que mostra como o filho hippie de um ricaço vai sendo transformado em indivíduo apto para dirigir a indústria da família. Suas atividades não se limitam ao cinema: autor de ensaios e livros, é professor de Comunicação de Massa. Em 1993, ganhou o David di Donatello de Melhor Diretor com o filme “Jonas que Viveu na Baleia”. Dirigiu também uma biografia não autorizada de Berlusconi, “Sílvio Forever” (2 011), além de “Corações Covardes” (1990), “Sostiene Pereira” (1995), “Jornada da Alma” (2002); “Alla Luce del Sole” (2005), ”Um Dia Essa Dor Será Útil” (2012) entre outros.

 

Mario Monicelli (1915-2010)

Crítico cinematográfico desde 1932, de 1939 a 1949 colaborou em cerca de 40 filmes, como argumentista, roteirista e assistente de direção. O começo de seu trabalho como diretor ocorre em 1949, em parceria com Stefano Vanzina, em "Totò Cerca Casa". A colaboração dos dois diretores deu origem a oito filmes, dentre os quais os célebres "Guardie e Ladri" (1951) e "Totò a Colori" (1952). Em 1953 inicia o trabalho solo. "Os Eternos Desconhecidos" (1958), com elenco composto por Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Totò e Claudia Cardinale, é considerado o pri meiro do filão da commedia all`italiana. Em 1959, "A Grande Guerra" ganhou o Leão de Ouro do Festival de Veneza e rendeu sua primeira indicação ao Oscar. A segunda viria em 1963, com "Os Companheiros". Diversas outras películas merecem destaque, em sua carreira de mais de 60 filmes: “O Incrível Exército de Brancaleone” (1966), “Meus Caros Amigos” (1975), “Um Burguês Muito Pequeno” (1977), “Quinteto Irreverente” (1982).

 

Nanni Loy (1925-95)

Giovanni Battista Loy nasceu em Cagliari, na Sardenha, e se formou em direção de cinema no Centro de Cinema Experimental de Roma, em 1948. Estreou como diretor (e escritor) com “Parola di Ladro” (1957), ao lado de Gianni Puccini, um filme sobre o mistério de um assassinato no pós-guerra. Loy passa a dirigir sozinho em 1959 com "L'Audace Colpo del Soliti Ignoti". Nos anos seguintes  assina dois filmes sobre a Resistência: “Um Dia de Leões" (1961) e “Os Quatro Dias de Nápoles" (1962), com Gian Maria Volontè, que ganhou o prêmio FIPRESCI (Federação Internacional de Críticos de Cinema) no 3º. Festival de Moscou. Sua habilidade para a comédia e a sátira se expressa em várias obras como “O Pai da Família” (1967), “Café Express” (1980), “Mi Manda Picone” (1984) e “Scugnizzi” (1989).

 

Federico Fellini (1920-93)

Nascido e criado em Rimini, região da Emilia-Romagna, Fellini se mudou para Roma, em 1939, e começou a ganhar a vida escrevendo e desenhando caricaturas na revista semanal Marc´Aurelio – vários desses textos foram adaptados para uma série de programas de rádio sobre os recém casados “Cico e Paullina”. Estreou no cinema, em 1942, redigindo histórias o para o comediante Aldo Fabrizzi. Em 1943, casou-se com a atriz Giulietta Masina – vencedora no Festival de Cannes pela participação em “Noites de Cabíria”, filme dirigido pelo próprio Fellini em 1957. A partir de 1 945, colaborou intensamente como roteirista com três dos principais criadores do movimento neorrealista (Roberto Rossellini, Alberto Lattuada, Pietro Germi), antes de desenvolver um estilo alegórico e barroco que se tornou sua marca registrada.

Fellini participou da elaboração de 51 roteiros e dirigiu 25 filmes, entre os quais “Os Boas Vidas” (1953), “Estrada da Vida” (1954), “Noites de Cabíria” (1957), “A Doce Vida” (1960), “8½” (1963), “Roma” (1972)”, “Amarcord” (1973), “Ensaio de Orquestra” (1978). “E La Nave Va” (1983).

 

Bernardo Bertolucci (1941)

Filho do poeta e crítico de cinema Attilio Bertolucci, Bernardo Bertolucci nasceu em Parma. Começou cedo, ainda no final dos anos 50, quando realizou seus primeiros curta-metragens em 1959 e 1960. Em 1961, frequentou a Universidade de Roma onde começou o curso de Literatura Moderna após trabalhar como assistente de direção em "Accattone", de Pier Paolo Pasolini. Estreou como diretor em 1962 com o longa "A Morte".

Conhecido por sua versatilidade, Bertolucci tem entre suas obras "Antes da Revolução" (1964); o clássico "O Conformista" (1970), livre adaptação do livro homônimo de Alberto Moravia; o polêmico "O Último Tango em Paris" (1972), com Marlon Brando e Maria Schneider; o épico "1900", realizado em 1976. Também se destacam, o multipremiado "O Último Imperador" (1987),  "O Céu que Nos Protege" (1990) e "Os Sonhadores" (2003).

 

Marco Bellocchio (1939)

Bellocchio nasceu em Bobbio, Emilia-Romagna. Estudou cinema em Roma, no Centro Experimental de Cinematografia (1959-62), e depois em Londres. De volta a Itália, dirigiu, com a idade de 26 anos, seu primeiro filme, o polêmico e inconformista “De Punhos Cerrados” (1965), que é até hoje uma de suas obras mais assistidas.  Realizou cerca de 30 longas, entre os quais se incluem “La China È Vizina” (1967), “Nel Nome del Padre” (1972), “Sbatti Il Mostro In Prima Pagina” (1972), “A Gaivota” (1977), “Diabo no Corpo” (1986), “Il Sorriso de Mia Madre” (2002), “B om Dia, Noite” (2003), “Vencer” (2009), “Bella Addormentata” (2012).

 

Luchino Visconti (1906-76)

Luchino Visconti di Modrone, conde de Lonate Pozzolo, nasceu em Milão e descende da família Visconti da antiga nobreza italiana. Começou seu trabalho no cinema como assistente do diretor francês Jean Renoir nos filmes “Toni” (1934), “Les Bas-Fonds” (1936), "Partie de Campagne" (1936). Ingressou no Partito Comunista d'Italia em 1942. Seu primeiro filme como diretor foi "Obsessão" (1943). Voltou-se em seguida para o teatro. Em 1948, realizou “La Terra Trema”, um clássico do cinema neorrealista. Recebeu sua primeira premiação no Festival de Veneza (Leão de Prat a), em 1957, pelo filme "As Noites Brancas" - baseado em conto de Fiodor Dostoievski. Em 1960, chega aos cinemas "Rocco e Seus Irmãos" e, em 1963, o mais aplaudido de seus trabalhos, "O Leopardo", adaptação do romance de mesmo nome de Giuseppe Tomasi di Lampedusa. Depois vieram “As Vagas Estrelas da Ursa” (1965), “O Estrangeiro” (1967), “Os Deuses Malditos” (1969), "Morte em Veneza" (1971), "Ludwig" (1972), "Violência e Paixão" (1974) e "O Intruso" (1976).

Visconti assina também a direção de 42 peças teatrais e 20 óperas encenadas entre 1945 e 1973.

 

Steno (1917-88)

Apaixonado por cinema desde muito jovem, Steno (Stefano Vanzina) estudou no Centro Sperimentale di Cinematografia (Roma). Em 1939 começa sua carreira como escritor e roteirista, além de consagrar sua participação na atuação de alguns filmes como “Violette Nei Capelli” (1942), de Carlo Bragaglia, e “Cinema D’Altri Tempi” (1953), onde também assina a direção. Escreveu cerca de 30 roteiros, até que, em 1949, dirige seu primeiro filme, ao lado de Mario Monicelli, a comédia "Al Diavoli la Celebrità". É o início de uma longa relação q ue os levará a criar nove comédias, incluindo "Guardas e Ladrões" (1951) e Totò a Colori (1952). Sua carreira emplacou grandes sucessos como "Um Americano Em Roma" (1954), "Piccola Posta" (1955), "I Due Collonelli" (1962) e "Arriva Dorrelik" (1967), que conseguiram representar, com uma ironia pessoal, os vícios e virtudes da Itália pós-guerra. Totó, personagem que interpretou em vários de seus trabalhos, transformou-se num ícone do cinema italiano.

 

Franco Zeffirelli (1923)

Gianfranco Corsi (Franco Zeffirelli) nasceu em Florença, ficou órfão aos cinco anos, foi criado por um grupo de atrizes inglesas, entre elas Mary O’ Neill, que assumiu o papel de mãe e lhe ensinou inglês, literatura, teatro e Shakespeare. Zeffirelli estudou arquitetura em Florença. Depois da guerra mudou-se para Roma e foi assistente de grandes cineastas como Vittorio de Sica, Visconti e Rossellini. A partir dos anos 1950 voltou-se para a ópera, encenou espetáculos como “L’Italiana in Algeri”, de Rossini, e dirigiu estrelas como Maria Callas. Após “La Bohème”, de Puccini, vo ltou ao cinema e fez “A Megera Domada” (1967) com Richard Burton e Elizabeth Taylor. No ano seguinte realizou “Romeu e Julieta” (1968), ganhou o Oscar de melhor diretor e um lugar na história do cinema por ser o primeiro a usar dois adolescentes reais (Olívia Hussey e Leonard Whiting) para mostrar os amantes de Shakespeare. Dirigiu também, entre outros,  “Irmão Sol, irmão Lua” (1972), “La Traviata” (1982), “Otelo” (1986), “Hamlet” (1990).

 

Valerio Zurlini (1926-82)

Nascido em Bolonha, Valerio Zurlini estudava Direito quando ingressou na Resistência Italiana, em 1943. Depois da 2ª Guerra Mundial, trabalhou como assistente de direção no Piccolo Teatro de Milão. Realizou em 1954 seu primeiro longa-metragem: "Quando o Amor é Mentira", baseado no romance de Vasco Pratolini, Le Ragazze di San Frediano. Seu segundo longa "Verão Violento" (1959) lhe trouxe notoriedade. “A Moça com a Valise" (1961) repetiu a dose. Mas Zurlini ficou mais conhecido por suas adaptações literárias: "Dois Destinos" (1962), adaptação de outro romance de Vasco Pratolini; "Mulheres no Front" (1965), baseado em um romance de Ugo Pirro; "La Promessa" (1970) em uma peça de Aleksei Arbuzov e seu último filme "O Deserto dos Tártaros" (1976), em romance de Dino Buzzati. Zurlini também dirigiu "Sentado à Sua Direita" (1968) e "A Primeira Noite de Tranquilidade" (1972).

 

Nanni Moretti (1953)

Nascido em Brunico, Giovanni Moretti mistura sua própria história com a de seus filmes. "Caro Diário" (1993) e "Abril" (1998), nos quais interpreta a si próprio, são obras declaradamente autobiográficas. "Minha Mãe" (2015) é inspirado na morte da própria mãe. Em suas obras mais antigas encontramos Michele Apicella, considerado um alter ego do diretor, que dá vida a esse personagem em seis filmes, de 76 a 89. Nanni Moretti foi opositor, porta-voz e um dos principais líderes do movimento que derrubou o ex-premiê Silvio Berlusconi – uma espécie de Eduardo Cunha vitaminado. Seu filme "O Crocodilo" (2006), produzido no fogo dessa batalha, tornou-se o mais celebrado do diretor. Moretti também dirigiu, escreveu o roteiro e atuou em "A Missa Acabou" (1985), "O Quarto do Filho" (2001) e "Habemus Papam" (2011).

 

Pier Paolo Pasolini (1922-1975)

Poeta, escritor e cineasta, Pasolini nasceu em Bolonha. Compôs os primeiros poemas em dialeto friulano, "Poesia a Casarsa" (1942). Seus romances "Vadios" (1954) e "Uma Vida Violenta" (1959) lhe asseguraram o êxito literário. Dirigiu, entre 1955 e 1959, a revista Officina, escrevendo depois roteiros cinematográficos e realizando vários filmes, entre os quais "Accattone" (1961), "Mamma Roma" (1962), "O Evangelho Segundo Mateus" (1964), "Gaviões e Passarinhos" (1966), "Édipo Rei" (1967), "Teorema" (1968), "Medeia" (1969), "Pocilga& quot; (1969), "Decameron" (1971), "Salò ou os 120 Dias de Sodoma" (1975). Repudiado pelo Vaticano, quando foi lançado em 1964 no Festival de Veneza, "O Evangelho Segundo Mateus" foi reabilitado em 2014, um ano após a posse do Papa Francisco, como "o melhor filme já feito sobre a vida de Jesus Cristo".

 

Roberto Rossellini (1906-77)

Nascido em Roma, Roberto Rossellini realizou, em 1945, a obra tida como marco zero do neorrealismo, movimento que influenciou as correntes estéticas do pós-guerra, desde Godard e Satyajit Ray até o Cinema Novo brasileiro. Seu pai era proprietário do cine-teatro Barberini. Nos anos 30, quando a família teve os bens confiscados pelo governo fascista, Rossellini ganhou a vida na indústria cinematográfica e chegou a obter sucesso com filmes encomendadas pelo regime. Ao mesmo tempo, registrava em segredo as atividades da Resistência. Nos últimos dias da ocupação nazista, o diretor levou a câmera &agrav e;s ruas para captar a insurreição popular que libertou a cidade em jumhp de 1944. Nascia o clássico “Roma, Cidade Aberta” (1945), baseado no roteiro que criou em parceria com Sergio Amidei e Federico Fellini.

Entre suas obras estão “Paisá” (1946), “Alemanha Ano Zero” (1948), “Stromboli” (1949), “Europa 51” (1952), “Romance na Itália” (1953), “Joana D’Arc (1954), “Índia: Matri Bhumi” (1959), “De Crápula a Herói” (1959), “Era Noite em Roma” (1960).

Nos anos 60-70, com foco na TV, fez filmes sobre personagens históricos, a começar por Giuseppe Garibaldi, “Viva a Itália” (1961). Nesta safra se incluem “A Tomada do Poder por Luís XIV” (1966), “Sócrates” (1971), “Blaise Pascal” (1971), “Santo Agostinho” (1972),   “Descartes” (1974), “Anno Uno” (1974), “O Messias” (1975).

-

 

SERVIÇO

O que: Mostra Permanente de Cinema Italiano

Quando: 29 de janeiro a 03 de dezembro, toda segunda-feira às 19 horas

Quanto: Entrada gratuita

Onde: Cine-Teatro Denoy de Oliveira (Rua Rui Barbosa, 323 - Sede Central da UMES)

 

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

icone-cpc-umes-filmes

 

 

 

Parceiros

 

icone-sp-trans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив